curves-header

Últimas noticias

videoThumb

22/11/2023

Natal Circular: mais memórias, menos resíduos

Por Arlene Carvalho, do Movimento Circular

Quando pensamos em celebrar o Natal, um filme de imagens características emerge: luzes cintilantes, tradições religiosas e familiares que transcendem gerações, a figura calorosa do Papai Noel e, é claro, o entusiasmo de presentear e ser presenteado. É uma época de alegria, generosidade e união, onde a atmosfera é preenchida pelo espírito festivo.

No entanto, em meio a todas essas festividades, surge um dado preocupante: em 2021, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) estimou que o consumo médio das famílias brasileiras aumentou 5% ao mês nos últimos meses do ano (novembro e dezembro). O mesmo levantamento mostrou que, no Brasil, os dias de maior recolhimento de resíduos sólidos domiciliares são véspera de Natal e véspera de ano novo, com um aumento estimado de até 20% apenas no mês de dezembro.

Além disso, especialistas estudiosos da área de resíduos já consideram uma média recorrente de 25% no aumento de geração de lixo nos dois últimos meses de cada ano. O motivo seria a realização das diversas festividades, desde confraternizações até os eventos tradicionais de Natal e Réveillon. Então, esta se torna uma oportunidade de refletir sobre como podemos viver o Natal de maneira circular. Será que é realmente possível?

Antes de seguirmos adiante, vamos fazer um pequeno exercício. Pense nos presentes que você compra para celebrar os festejos natalinos. Agora, considere a quantidade de recursos e matérias-primas utilizados na fabricação dos celulares, brinquedos, roupas e calçados que você presenteia e é presenteado. Reflita sobre o combustível utilizado para que esses produtos cheguem até você e aquele que você utiliza para visitar os locais de compras. E quanto às embalagens de todos esses produtos?

A partir dessas reflexões, surge a pergunta: são realmente os itens materiais que constroem as confraternizações ou é a experiência vivida? Este é o questionamento que norteia a campanha de fim de ano do Movimento Circular: “Natal Circular: mais memórias, menos resíduos”.

“Precisamos pensar além do que já vem sendo falado, por exemplo. O que a gente entende por Natal, sabe? É mais do que um momento de comer e trocar presentes. A gente sempre fala do convívio e dos relacionamentos, e isso ainda está fazendo muito sentido no pós-pandemia. Este ano, achamos importante estimular a reflexão sobre o processo de preparação, sobre a experiência de preparar um Natal. Crianças preparando a ceia e ajudando na arrumação do espaço, criando enfeites com objetos que podem ser reutilizados - sob supervisão, ajudando, convivendo - tudo isso ajuda a criar memórias afetivas significativas que não estão associadas unicamente ao consumo”, comenta o coordenador pedagógico do Movimento Circular, professor Edson Grandisoli.

A ideia é que a experiência seja aliada à coletividade. “A experiência envolve todo mundo - porteiro, o rapaz da limpeza do condomínio, o segurança que está trabalhando na noite de Natal. Dividir a refeição, se for possível, é uma forma de fortalecer esses laços de comunidade para além da família”, aponta.

Grandisoli também ressalta que presentes não são vilões. “A gente pode pensar em fazer os presentes. Oferecer presentes de valor sentimental que resultem em menos resíduos, como doações, experiências, ou doces e biscoitos feitos por você. Mais do que um simples presente, é a presença que importa. E se você realmente quer comprar algo, por que não pensar em trazer coisas que tenham uma permanência maior na vida das pessoas? Mudas de árvores e plantas para cuidar são bons exemplos”, detalha.

Ao focar em experiências e memórias, em vez de bens materiais, não apenas se cria um Natal mais significativo, mas também se contribui para relações mais ricas e um ambiente mais circular. A ideia reforça a noção de que as verdadeiras riquezas do Natal residem nas conexões e memórias construídas, proporcionando benefícios duradouros para todos os envolvidos.

“É uma visão de mundo que vale para datas comemorativas e para a nossa vida em geral. Que tal criar e montar com seu filho o brinquedo que será o presente dele de Natal ou no próximo Dia das Crianças?”, explica.

MC_Natal_Circular_news_01.png

Todas essas reflexões servem como base para repensarmos não apenas o Natal, mas também nossa vida de maneira mais consciente e circular. Onde o valor das experiências compartilhadas supera a simples acumulação de bens materiais, e o respeito pelo ambiente orienta nossas escolhas. É um ótimo momento para tentarmos ressignificar nossas relações com o mundo material e com as outras pessoas.

Ao questionarmos o impacto ambiental de nossas tradições natalinas, iniciamos uma compreensão mais profunda da essência do Natal - presente, principalmente, nas memórias duradouras e no calor humano. E, acima de tudo, presenteamos o planeta, contribuindo para um futuro mais circular e harmonioso.

Mas e se eu quiser presentes mesmo assim?

Dentro da Economia Circular, é viável presentear de maneira responsável, e muitas dessas práticas estão diretamente relacionadas aos 7 Rs da circularidade, bem como ao consumo consciente.

“Precisamos pensar além de reduzir embalagens, por exemplo. Também é importante pensar, sendo o presente para si mesmo ou terceiros, se é mesmo necessário comprar aquele item. Por exemplo, seu celular realmente não tem conserto ou você apenas quer um novo porque o fabricante lançou um modelo mais atual? Além disso, é essencial saber de quem se está comprando, qual a agenda daquela empresa”, finaliza Grandisoli.

Ao festejar o Natal de forma mais circular, podemos repensar o significado do presente, optando por produtos duráveis, minimizando o desperdício. Da escolha dos presentes à decoração da casa, passando pela preparação dos alimentos, cada decisão pode ser uma contribuição para um planeta mais saudável.

Em vez de ser uma temporada de excessos e consumismo, o Natal circular é uma oportunidade de estabelecer laços mais significativos. Desse modo, neste Natal, que tal desafiar a ideia de que mais é sempre melhor e redescobrir a alegria de compartilhar momentos autênticos, construindo não apenas memórias inesquecíveis, mas também um futuro mais circular para todos? No Natal de experiências, todo mundo ganha e este é um presente que reverbera além das festividades e impacta positivamente o nosso mundo.

Gostou? Compartilhe!