Notícias para circular

29/04/2022

Logística reversa como aliada da Economia Circular

Se você acompanha os conteúdos do Movimento Circular, já deve saber que o conceito base da Economia Circular é que todo recurso pode e deve ser reaproveitado e transformado, até que nada mais vire lixo. Mas, como fazer isso? A partir de novos comportamentos individuais e coletivos, e da adoção de processos como a reutilização, a reciclagem e a remanufatura dos produtos. Para que isso aconteça, um dos mecanismos fundamentais é a logística reversa.

O que é logística reversa?

Logística reversa é o fluxo pelo qual produtos, embalagens e outros resíduos sólidos saem das mãos do consumidor final e retornam ao seu local de origem: a indústria. Ou seja, ela vai da coleta até a devolução dos resíduos ao setor empresarial. Por meio dela, é possível realizar a etapa de remanufatura dos produtos, proposta pela economia circular.

Para que a produção de bens de consumo ocorra de forma cíclica, precisamos deixar de apenas extrair e explorar os recursos da natureza para produzir bens que serão descartados e passar a aproveitar mais os recursos que já estão em uso, fazendo com que eles iniciem um novo ciclo.

Quem faz a logística reversa acontecer?

Não se trata de um processo que está nas mãos de apenas um responsável, como uma empresa, cooperativa ou ONG, mas precisa contar com a participação de todos os setores envolvidos na produção, no consumo e na gestão dos resíduos. Consumidores precisam descartar em local correto os resíduos provenientes dos produtos que utilizam; comerciantes devem facilitar o acesso a um local adequado de devolução dos produtos; indústrias devem recolher os resíduos descartados para reutilizá-los ou remanufatura-los em forma de novos produtos; e o poder público deve ajudar na conscientização, na fiscalização de cada etapa e na criação de políticas públicas que incentivem a adoção dessas práticas

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Mais do que uma sugestão ou alternativa, a logística reversa é o instrumento previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pela Lei nº 12.305 de 2010, criada para organizar a forma com que o país lida com o lixo e exigir, dos setores públicos e privados, transparência no gerenciamento de seus resíduos.

Ela prevê, inclusive, que esse planejamento deve contar com a articulação entre as diferentes esferas do poder público, e delas com o setor empresarial, com foco na cooperação, para atender aos objetivos da Política.

O que é a Economia Circular?

A Economia Circular propõe um novo olhar para nossa forma de produzir, consumir e descartar, a fim de otimizarmos os recursos do planeta e gerar cada vez menos resíduos. Ou seja, um modelo alternativo ao da Economia Linear - extrair, produzir, usar e descartar - que tem se provado cada vez mais insustentável ao longo da história. Na Economia Circular, a meta é manter os materiais por mais tempo em circulação por meio do reaproveitamento, até que nada vire lixo! Para que esse modelo se torne uma realidade, todos nós temos um papel a desempenhar. É um verdadeiro círculo colaborativo, que alimenta a si mesmo, e ajuda a regenerar o planeta e nossas relações.

Aprenda sobre Economia Circular

Se você tem interesse em conhecer mais sobre esse tema, acesse a Circular Academy, o primeiro curso latino-americano gratuito sobre economia circular voltado ao público geral. Todos nós, em parceria e colaboração, podemos fazer a diferença na construção de um planeta mais circular.

Sobre o Movimento Circular

Criado em 2020, em meio à crise causada pela pandemia de Covid-19, o Movimento Circular é um ecossistema colaborativo que se empenha em incentivar a transição da economia linear para a circular. A ideia de que todo recurso pode ser reaproveitado e transformado é o mote da economia circular, conceito-base do movimento. O Movimento Circular é uma iniciativa aberta que promove espaços colaborativos com a missão de chegar a mais pessoas e lugares. Seu objetivo é informar as pessoas e instituições de que um futuro sem lixo é possível a partir da educação e cultura, da adoção de novos comportamentos e do desenvolvimento de novos processos, produtos e atitudes.